Cidades
Publicada em 18/11/17 as 16:48h - 45 visualizações
Por suspeita de cartel, MPE quer anular contratos de manutenção de 118 trens da CPTM
Contratos se referem aos trens que circulam nas linhas 7-Rubi, 9-Esmeralda, 10-Turquesa, 11-Coral e 12-Safira, das séries 2070, 3000, 7000 e 7500

diariodotransporte


A CPTM - Companhia Paulista de Trens Metropolitanos recebeu uma recomendação do Ministério Público Estadual (MPE) para que anule quatro contratos de manutenção de 118 trens em São Paulo. A recomendação foi feita pelo promotor Nelson Luís Sampaio de Andrade, do Patrimônio Público e Social.

O MPE alega suspeita de formação de cartel envolvendo as empresas contratadas. Os contratos foram assinados há cinco anos.

No texto, o promotor Nelson Luís Sampaio afirma que um inquérito do MPE, com documentos encaminhados pelo CADE - Conselho Administrativo de Defesa Econômica, conduziu à constatação da prática de conluio entre as empresas. Havia propostas combinadas para simular uma disputa nas licitações feitas em 2012 envolvendo os quatro contratos.

Há um ano (outubro de 2016) a CPTM já anulou um contrato no valor de R$ 220,2 milhões pelo mesmo motivo, após o promotor Marcelo Milani fazer a mesma recomendação por prática de cartel.  Na época o contrato era com o consórcio TMT para a manutenção de 48 trens da Linha 10-Turquesa. Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2016/10/25/cptm-deve-cancelar-contrato-de-manutencao-de-trens-da-linha-10/

A CPTM afirmou naquela ocasião que o contrato "não foi lesivo aos cofres públicos". Mesmo assim, a Companhia suspendeu o contrato para evitar ação judicial por improbidade administrativa.

Agora, diante da nova recomendação, a Promotoria deu prazo de 30 dias para a suspensão dos negócios para não interromper a circulação da frota.

Os contratos originais, no valor de R$ 478,5 milhões, datam de março e maio de 2013, e foram assinados com o consórcio TMT (empresas Temoinsa do Brasil, Trail Infraestrutura e Trans Sistemas de Transportes) e com a espanhola CAF.

Os contratos se referem aos trens que circulam nas linhas 7-Rubi, 9-Esmeralda, 10-Turquesa, 11-Coral e 12-Safira, das séries 2070, 3000, 7000 e 7500. Os acordos já venceram em 2017, têm sido prorrogados a cada seis meses pelo valor de R$ 46,8 milhões.

Em matéria publicada no site do "O Estado de SP", assinado pelos jornalistas Fabio Leite e Bruno Ribeiro, a CPTM respondeu em nota não ter sido notificada sobre a recomendação e que "já iniciou o processo de licitação internacional para substituir os contratos de manutenção vigentes". Quanto à a manutenção dos trens da série 2100, a Companhia informa que "um novo contrato já foi assinado. Outros cinco terão os editais de licitação publicados até o fim do ano."

A estatal informa ainda que "o encerramento dos contratos de manutenção atuais somente poderá ser feito mediante assinatura dos novos contratos, sob pena de paralisação da circulação dos trens". E que "as licitações para manutenção em 2012 respeitaram na íntegra a Lei 8.666".

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transporte




Deixe seu comentário!

ATENÇÃO: Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

11 97027.7246

Publicidade Lateral
No Ar
Sessão Cine GV com Sessão Cine GV
Redes Sociais


Estatísticas
Visitas: 598648


Bate Papo

Digite seu NOME:


Parceiros
Rádio Gospel vida
Robson Host
Imagem filmes

Rede Gospel Vida de Comunicação - Estrada do Pedroso, 1095 - Santo André - SP
Copyright (c) 2017 - TV RGV - Todos os direitos reservados